CARNAVAL DE MAQUETE


           

   

Grêmio Recreativo Escola de Samba de Maquete

Saudade


Sopros de Vida


Carnavalesco : Thiago Tapajós e Adriano de Carvalho
Samba utilizado(Escola/Ano) : Gaviões da Fiel Torcida 2001
Interpréte :

SINOPSE


Autor(es) : Thiago Tapajós


“SOPROS DE VIDA”
Autor: Thiago Tapajós
Justificativa:
Um dos mistérios mais inquietantes para o homem está na
origem de sua criação. Como, porque e de que modo o mundo surgiu? Qual a origem
do homem? As respostas para tais perguntas podem ser dadas através dos mitos de
criação, narrativas que pretendem explicar de acordo com cada cultura de um povo,
a criação do universo, da terra, da vida e do próprio homem.
Assim, o GRESM Saudade pretende mergulhar em três mitos
de origem muito relevantes para a nossa cultura brasileira: o mito judaico-cristão,
narrado no início da Bíblia sagrada, o mito yorubá, transmitido através dos africanos
de etnia yorubá e o mito tupi-guarani, contados através da tradição oral dos índios
tupis-guaranis.
Não teremos a pretensão de fazer uma narrativa cronológica
desses mitos de origem, mas ressaltar os mistérios e o encantamento da nossa
criação, pois, nos três mitos, foi pela vontade de um ser divino criador, seja Deus,
Olorum ou Tupã, que o mundo surgiu e foi através de um sopro divinal que o homem
ganhou vida. Sopros de vida!
Sinopse:
O Sopro de Vida do Deus Criador.
No princípio era o nada e um grandioso Deus fez tudo a partir
do nada.
A terra era coberta de trevas, escura, sem forma e vazia. Deus
então disse: Luz, faça-se a luz! E a luz se fez. Separem-se a luz da escuridão! A luz virou
o dia e a escuridão virou a noite. Que sejam criados luminares no céu. O Sol passou
iluminar o dia e a lua passou iluminar a noite. Formaram-se também as estrelas. Luzes
no céu para iluminarem toda a terra. 
Livro Abre Alas
Surgiu a porção seca, que Deus chamou terra e ao
ajuntamento das águas, surgiram os mares. E viu Deus que isso era bom ...
Na terra seca nasceram a relva, campos, flores e árvores com
frutos. Nos mares e no ar surgiu a vida: Peixes no mar, pássaros e borboletas no ar.
Apareceram os animais terrestres. E viu Deus que isso era bom ...
Por fim, Deus formou o homem do pó da terra e insuflou em
suas narinas um sopro de vida e o homem tornou-se um ser vivo. Depois, Deus
finalmente descansou.
***
O Sopro Sagrado de Olorum.
No tempo em que o mundo era apenas o infinito firmamento,
Olorum, o Deus supremo, ao respirar criou as águas que formaram a imensidão do
mar. Do movimento de água e ar, uma matéria se solidificou, dando origem a uma
pedra avermelhada, a qual Olorum soprou o ar divino e assim Exu nasceu.
Olorum decidiu criar o mundo e chamou Oxalá para tal
missão, deu a ele o saco da criação e o advertiu que deveria procurar Orunmilá
(Senhor da Sabedoria e do Destino), para que obtivesse orientações de como cumprir
a missão com êxito.
Orunmilá disse que Oxalá teria muitas dificuldades para
cumprir a incumbência de criar o mundo. Recomendou que fizesse oferendas a Exu,
contendo uma corrente de mil elos, cinco galinhas de cinco dedos em cada pé, cinco
pombos e um cameleão. Oxalá foi advertido que não poderia consumir bebida
alcoólica até o mundo ser criado.
Por sua teimosia, Oxalá se recusou fazer as oferendas para
Exu.
No dia da criação, Oxalá se encontrou com Exu, que o indagou
se as oferendas foram realizadas para que pudesse concluir a missão de criar o
mundo, sendo, no entanto, ignorado por Oxalá. Exu ficou irado e resolveu se vingar.
Durante seu percurso, Oxalá sentiu muita sede e acabou
bebendo vinho de palma ao pé de um palmeira e adormeceu. Exu então pegou o saco
da criação e levou até Olorum, comprovando que Oxalá tinha fracassado na magna
missão de criar o mundo.
Livro Abre Alas
Olorum resolveu incumbir a criação do mundo a Oduduwa,
que sendo mais prudente, foi até Orunmilá, que por sua vez a orientou que para criar
o mundo com êxito, deveria oferecer a Exu as mesmas oferendas que Oxalá se
recusou fazer.
Oduduwa fez oferendas a Exu, que em contrapartida, em sinal
de reconhecimento, tirou um elo da corrente e colocou em seu braço e devolveu a
Oduduwa o restante da corrente, o camaleão, uma galinha, e um pombo. Disse que
esses animais seriam muito importantes para a criação do mundo e indicou a
Oduduwa o local do Orum onde deveria descer.
Chegando ao local indicado por Exu, Oduduwa lançou do
Orum até o pântano que lhe ficavam abaixo, a corrente pela qual desceu com um
pouco de terra dentro da concha de um caracol. Soltou o pombo branco para que
espalhasse a terra sobre o pântano e fez com que a galinha passasse imediatamente
a ciscar o solo, aumentando cada vez mais a extensão da terra. Depois que a terra já
estava bem expandida, Oduduwa fez com que o camaleão verificasse se a mesma
estava realmente firme. Após o camaleão constatar que a terra estava segura e firme,
Oduduwa pisou na terra pela primeira vez e com ela vieram todos os outros orixás.
Depois de despertar, Oxalá foi pedir desculpas a Olorum pela
falha na missão de criar o mundo. No entanto, recebeu uma nova tarefa: a criação do
ser humano!
Oxalá fez um homem de ferro, mas viu que ficou rígido
demais. Tentou fazer de madeira, mas não deu certo. Tentou com pedra, com água,
com fogo, com ar e até com azeite de palma, mas nada aconteceu.
Até que do fundo de um lago surgiu Nanã, mergulhou nas
águas trouxe o barro. Assim, com o barro ofertado por Nanã, Oxalá conseguiu
finalmente criar o homem com movimentos, capaz de mover os olhos, os braços, as
pernas e, então, soprou-lhe a vida. O homem finalmente respirou e saiu cantando
pelo mundo.
***
O Sopro de Vida do Trovão.
Num tempo muito distante, no vazio do espaço, fez-se a
criação do universo. Não havia forma, não havia tempo, não havia som, não havia luz.
Havia apenas Yamandu, o ancestral de todos os ancestrais do mundo.
Livro Abre Alas
Yamandu quis conhecer toda a sua dimensão e para tal se
transformou na coruja primordial. Conseguiu voar pela grande noite e viu que era
vasto. Yamandu quis conhecer a sua altura e para isso se transformou em um colibri,
o Mainu, voou em todos a direções e viu que era grandioso.
Decidiu que o mundo deveria ser criado. Suspirou e soprou e
de seu sopro nasceram estrelas, planetas, astros e nebulosas. O universo foi criado,
com toda a vastidão que podemos imaginar.
Voltando se recolher em si mesmo, transformou-se em pura
energia e de uma explosão divinal, nasceu Tupã, o filho do amor divino. O Senhor das
forças na natureza.
Tupã dormiu e sonhou com a mãe terra, uma serpente
prateada e luminosa que flutuou sinuosa pelo espaço durante muito tempo, até
escolher o lugar onde queria descer.
Desceu na Terra e aqui a serpente se enroscou, adormeceu e
se transformou em uma tartaruga.
Tupã acordou e seguiu o rastro luminoso que a mãe terra
deixou no espaço e ao encontra-la, olhou a tartaruga e em seu casco desenhou as
montanhas, rios, cachoeiras, florestas e todas as maravilhas do nosso planeta.
Tupã então pensou que poderia colocar alguém para
desfrutar de todas essas belezas, bem como continuar a criação do mundo. De dentro
de seu coração nasceu Nhanderovussu, o primeiro ser humano.
Tupã disse ao nosso primeiro ancestral que deveria habitar a
Terra e conhecer tudo que havia em nosso planeta, saber o que ainda precisava ser
feito e continuar a criação.
Nhanderovussu disse que não saberia viver na terra pois não
sabia andar, apenas sabia voar, então Tupã lhe disse que deveria voar em todas as
direções e que em cada direção encontraria um guia espiritual e seria ensinado a ele
tudo que deveria aprender para aqui viver.
Em sua viagem pela terra, nosso primeiro ancestral se
deparou com o primeiro guia, Endovidju, a Palmeira Ancestral, que o ensinou a viver
na terra. Nhanderovussu se tornou a própria Palmeira e sendo árvore sentiu as raízes
fixadas no solo, proporcionando-lhe uma sensação de segurança.
Livro Abre Alas
Prosseguindo sua viagem, encontrou a primeira onça
ancestral, a Yauaretê. Virou a própria onça, pois lhe permitido possuir seu corpo.
Como onça sentiu o cheiro da terra, o aroma das plantas, viu a Terra se mover,
aprendeu andar e correr.
Continuando sua caminhada pela Terra, Nhanderovussu
olhou para o topo de uma montanha e notou que havia uma gruta lá no alto, de onde
surgia uma luz. Subiu e encontrou uma serpente prateada enrolada no chão.
A serpente disse que era o Espírito da Terra. Recolheu do
próprio chão a poeira e o barro, moldou um corpo e colocou dois cristais no alto da
cabeça, dizendo ao nosso primeiro ancestral que entrasse nesse corpo. Foi então que
pela primeira vez experimentou a sensação de apoiar-se sobre as pernas. Caminhou
em direção à entrada da gruta por onde adentrava a luz do sol brilhando lá fora. Com
olhos de cristal, enxergou o horizonte.
Que mundo lindo! Disse.
Nhanderovussu ganhou do Espírito da Terra um corpo
humano e também recebeu dons. Poderes da terra, da água, do fogo e dos ventos,
poderes preciosos que o ajudariam a concluir a criação. Cada palavra que saísse de
sua boca seria um espírito vivo.
Podendo andar por conta própria, caminhou, buscou novos
rumos, até que olhou para o céu e disse uma palavra que veio em sua mente: Arara!
Assim surgiu a primeira arara no mundo. Depois ele olhou para o chão e falou: Jacaré,
Jararaca, Paca, Tatu ... assim foram surgindo os animais na Terra.
De sua boca nascerem muitos animais e continuou andando e
olhou para o rio e disse: Boto! E assim nasceu o primeiro peixe. E falou o nome de
outros peixes, de plantas, de árvores e muitas coisas passaram existir.
Nhandevorussu passou a vida a cantar, andar, falar e sonhar,
até que um dia, após tomar banho em uma cachoeira, viu através do espelho das
águas a sua imagem e disse: Cunhataí- Porã! E assim nasceu a primeira mulher, a sua
futura companheira.
Cunhataí sugeriu que fossem criados mais seres no mundo,
então pegou uma semente de cada árvore, colocou em um maracá e chaqualhou.
Havia uma semente vermelha, uma amarela, uma negra e uma branca. Plantaram as
sementes e da união delas nasceu um novo povo, o povo dourado, a raça humana.
Livro Abre Alas
Cumprida a missão dada por Tupã de continuar a criação do
mundo e de novos seres, Nhanderovussu e Cunhatái se encantaram e voaram ao
infinito. Ele transformou-se em Kuaracy, o sol. Ela transformou-se em Jacy, a lua.
Juntos continuaram próximos de suas sementes gentes, olhando-os durante os dias e
nas noites, zelando pelos seus filhos, todos iguais, sementes da mesma floresta,
criados pelo mesmo sopro de vida.
***
Obras consultadas:
A ORIGEM da vida: numa perspectiva mitológica. Disponível
em: http://igrejasaojoseoperario.com.br/pdf/artigos/15.pdf. Acesso em janeiro de
2021.
A CRIAÇÃO do mundo. Disponível em:
http://www.monergismo.com/textos/criacao/criacao-mundo_lloyd.pdf. Acesso
em janeiro de 2021.
O QUE aconteceu em cada um dos dias da criação do
mundo? Disponível em https://maisfe.org/para-refletir/o-que-aconteceu-em-cadaum-dos-dias-da-criacao-do-mundo/. Acesso em janeiro de 2021.
DIAS, A.S. e JANEIRA, A.L. O Jardim nos Mitos da Criação do
Mundo. In ME Guedes (Coord.) Jardins da alma. Coleção Lápis de Carvão, Apenas
Livros Ltda, Lisboa, 2006.
E DEUS viu que o mundo era bom: os primeiros capítulos do
livro gênesis. Disponível em https://docplayer.com.br/12733140-E-deus-viu-que-omundo-era-bom-os-primeiros-capitulos-do-livro-do-genesis.html. Acesso em
janeiro de 2021.
CONTRAMITO DA criação em gênesis. Disponível em
https://xdocs.com.br/doc/contramito-da-criaao-em-genesispdf-j987wyj9y7nz.
Acesso em janeiro de 2021.
O DEUS criador. Disponível em
http://www.novocoracao.com.br/ebd/7_O_Deus_criador_ibnc.pdf. Acesso em
janeiro de 2021.
A CONSTRUÇÃO e difusão do conhecimento por meio de
contos africanos: a tradição oral sobre a cosmologia iorubá. Disponível em
https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8653745.
Acesso em janeiro de 2021.
A COSMOVISÃO no candomblé. Disponível em
https://www.ufjf.br/sacrilegens/files/2013/03/9-2-5.pdf. Aceso em janeiro de
2021.
GÊNESE YORUBÁ – obàtálá & odùdúwà. Disponível em
http://www.biaobresil.com/genese-yoruba-obatala-oduduwa/. Acesso em janeiro
de 2021.
Livro Abre Alas
COSMOLOGIA YORUBÁ: a criação e a separação do mundo.
Disponível em https://ori.net.br/artigo15.html. Acesso em janeiro de 2021.
A VOZ do trovão (a criação do mundo segundo os guaranis).
Disponível em http://pindorama.art.br/file/MitoGuarani-VerCompl.pdf. Acesso em
janeiro de 2021.
MITO TUPI guarani de criação do mundo. Disponível em
http://www.escolagranada.com.br/mito-de-criao-tupi-guarani. Acesso em janeiro
de 2021.
O MITO da criação do universo. Disponível em
http://brisasemeapensamentos.blogspot.com/2018/12/mito-da-criacao-douniverso.html. Acesso em janeiro de 202


Escute o Samba

Autor: José Rifai, Alemão do Cavaco e Ernesto Teixeira
Escola: Gaviões da Fiel Torcida 2001
Trago amor e esperança
Nesta odisseia triunfal
Voa Gavião, faz a festa pro povão!
Arrebenta neste carnaval
Iluminando a imensidão
Com o perfume da magia e sedução
O pensamento divaga no infinito
É um sonho tão bonito
Que conduz a Criação
E então brilhou um céu
Cravejado de estrelas
Surgiu a terra, o sol e o mar
E a lua que clareia o teu olhar
Da singeleza enfim há de nascer um novo ser
Que com amor irá se eternizar
Esculturado
Pela mão divina
De barro ou de metal
Do criador é obra-prima
Porém... a humanidade desprezou
Todo o poder do criador
Que a castigou com piedade
Uma nova era floresceu
Brotando a felicidade
Livro Abre Alas
R