CARNAVAL DE MAQUETE


       

   

Grêmio Recreativo Escola de Samba de Maquete

Meninos de Pelotas


“SAGRADO OU PROFANO... ORGULHO OU VERGONHA! SEM CORPO MOLE NA AVENIDA, ENTRO DE CABEÇA NA FOLIA!”


Carnavalesco : Raphael Khaleb
Samba utilizado(Escola/Ano) : *
Interpréte : *

SINOPSE


Autor(es) : Raphael Khaleb

Image and video hosting by TinyPic


Olá... sabem quem sou eu? Não? Sou um cara pacato. Um cara que gosta de ficar encolhido na sua. Bem introspectivo. Sou um cara que gosta de viajar. Bem, falado no mundo inteiro. Começando como objeto de culto no Império Alexandrino, passando por objetos de recepção na Pompéia ou arma de sedução em Atenas. Tem uns que são grandões, com os Congoleses, outros são os baixinhos da turma, os Sul-Coreanos. Nem as pinturas do Butão, o reinado em Tonga ou o castigo dos marinheiros na casa do caralho em Portugal.
Fui muito endeusado, mas também fui muito prejudicado. Fui motivo de medo entre moças virgens, despertar paixões entre gays, alimento para manifestações das feministas, auto afirmação dos machistas e pura diversão das drag queens. Afinal de contas, fui de herói a vilão, sendo chamado de vara do diabo.
Cai nos braços da nação, digo com a boca no mundo. Apesar de ser chamado de profano, virei a alegria do povo, ganhando vários apelidos, sempre relacionados a algum objeto na boca, seja ele um picolé, um pão ou um belo canavial. O importante é rir. Mesmo que a nem a minha musa escape. Ela que veio americanizada, trocou as bananas por cenouras, berinjela, aipim, pepinos e abobrinhas.
E se não bastasse ganhar a boca da galera, vou conquistando a mídia. Estrela de comercial, falando, se agasalhando, saindo de cuequinhas ou ceiando no natal. Estrela nas telinhas, me fiz famoso atraves de personagens com seu lindeza (Calma Cocada) ou descabelando os palhaços. Das telinhas fui para as telonas e reconhecido mundialmente por Anaconda ou pelo Kid Bengala. E se tem filme, tem musica. E nem adianta segurar o tchan, ou ralar na boquinha da garrafa, o que importa é ser famoso. E se tem carnaval, corre... vem ver a Mangueira entrar.
E ai? Sabe quem sou eu? Não? Então senta e rebola que vai começar o nosso desfile...
Rolando Picareta Bitelo
O Homenageado
Escute o Samba