CARNAVAL DE MAQUETE


                   

   

Grêmio Recreativo Escola de Samba de Maquete

Monarcos do Samba


Lendas do folclore brasileiro


Carnavalesco : Felipe Sant’anna e Diogenes Honorato
Samba utilizado(Escola/Ano) : Independentes de São Torquato 2016
Interpréte : Marcinho Diola

SINOPSE


Autor(es) : Adaptaçâo Felipe Sant’anna

Image and video hosting by TinyPic


Introdução :

O Folclore é um conjunto de várias histórias tidas como mitos ou lendas, pois nunca ninguém conseguiu provar sua existência, porque são histórias muito antigas que são passadas de geração para geração. Essas histórias são incríveis , saíram da imaginação de nossos antepassados, principalmente dos que viviam no interior do Brasil.

A tradição folclórica do Brasil, por exemplo, desenvolveu-se de variadas formas de acordo com as regiões do país. Esse desenvolvimento se deu a partir da mistura das tradições dos principais povos que se misturam em terras brasileiras; notadamente, povos africanos, os nativos indígenas e europeus

Essas histórias são transmitidas através dos séculos, sua principal característica é unir fatos históricos e reais com a fantasia, tornando a lenda ou mito .

Sinopse :

Senhores foliões, pedimos que deixem agora somente a fantasia dominar suas mentes. Anunciamos, neste momento, a última chamada para darmos início a nossa fabulosa viagem carnavalesca aos confins da imaginação do folclore brasileiro ! E convidamos a todos os presentes a embarcar , para participar dessa vibrante aventura, desbravando paisagens exóticas e conhecer personagens fantásticos que povoam as lendas do folclore brasileiro .

Vamos nos embrenhar na espantosa natureza de cada civilização criada pela ilimitada e desvairada imaginação dos contos através do tempo. Vamos cantar lendas, demarcadas pela beleza e anormalidade, por muitos personagens interessantes, insólitos e apaixonantes!

...Na calada da noite lua cheia

serena, no remanso das águas, no horizonte sem fim, na beira do lago, na casa de palha, eu conto as histórias para os meus curumins ...

Eu te juro que vi, o encanto do canto mais lindo da Yara mãe d'água. Conheci Naiá a índia que se tornou Vitória-régia. Na festa tem o boto cor de Rosa conquistador, o namorador que se transforma em gente, cuidado... cabocla ele vem aí . Dizem também, que os astros se amaram mas não puderam se casar. No meio do mato dei de cara com o curupira eu rodei e rodei o caipora vivia zombando de mim, cachimbo na boca pulando e girando vi o Saci. Dos olhos de um jovem índio nasceu o fruto guaraná , de longe avistei a zangada bruxa Cuca. E, do amor proibido surgiu o pássaro Uirapuru com o canto mais bonito da Mata. Protetora das mulheres, a Mãe de Ouro protege as esposas que são maltratadas por seus maridos, prendendo os em cavernas, de tão ruim que era até a terra rejeitou o terrível Corpo Seco. Vi também Negrinho do Campo Grande .

Sonhos? Alucinações? Ilusões? Criando , inventando e dando vida a personagens como Bicho Papão, Pisadeira e a pequena Índia Mani que foi enterrada em sua o oca e se deu origem a mandioca, olhos de fogo a grande serpente conhecida como Boitata, Mula sem cabeça e Lobisomem .

Assim, com esse espírito de fantasiar e delirar ao extremo, a Monarcos do Samba , recria os mistérios místicos, criados a partir de ideias difundidas ao longo do tempo , do imaginário popular.

Meu filho acredite na História que eu vou te falar, eu vi com meu pai e agora eu vou te contar é verdade, cuidado caboclo não vá duvidar

“Nossos contos e lendas, nosso folclore ,nossa cultura nossas tradições ,histórias da terra que eu conto aqui pro meu sambar ".


Escute o Samba


Autores: Felipe Viana, João Machado e Marcinho Diola

Independentes eu sou
Num reino encantado de amor
Revelo para o mundo inteiro
Histórias do folclore brasileiro

Puxa a cadeira, serve o café, vem prosear
À luz do lampião, tenho um causo pra contar
Bela voz quis despertar
Desejos para conquistar meu frágil coração
A doce Iara lançou um feitiço
Brilhante, boitatá me salvou
Fugimos pela floresta
E alguém assobiou

Cachimbo na boca, numa perna só
Pulando e girando, eu vi o saci
Tem festa na mata, é muita alegria
Cantam os seres de magia

Não se engane
Boto Rosa seduz, vira amante
Sob a lua rodeia as cidades
Foi lindo ouvir o uirapuru cantar
Segui pegadas pelo chão
Vermelho fogo no cabelo
Que baita susto, curupira!
Partiu de galope na montaria sem cabeça
Lá vem negrinho pastoreio com a vela acesa
Antes do lobo uivar