CARNAVAL DE MAQUETE


               

https://www.facebook.com/everton.santana.1694" target="_blank">    

Grêmio Recreativo Escola de Samba de Maquete

Cárcara do Samba


João Pessoa o Portal do Sol


Carnavalesco : Everton Santana
Samba utilizado(Escola/Ano) : Vila Isabel 1998
Interpréte : Gera e Jorge Tropical

SINOPSE


Autor(es) : Wellington Pereira


Antes da conquista portuguesa, a região da Paraíba foi habitada por indígenas cariris que, vindos da Amazônia ocuparam o litoral, sendo também chamados de tapuias. Durante o século XVI, estes indígenas foram expulsos para o interior após o conflito com a tribo dos potiguaras que chegaram ao litoral norte do estado. Na segunda metade do século XVI, uma nova tribo se deslocou para a região, desta vez eram os tabajaras e se afixaram ao sul da região conhecida hoje como Cabo branco. Durante a chegada e conquista dos primeiros europeus, as diferenças entre essas duas tribos foram reafirmadas, enquanto os tabajaras realizaram alianças com os portugueses, os potiguaras entraram em conflito com os conquistadores. Atualmente, ainda resistem indígenas potiguaras na região da Baía da Traição.
Devido à colonização portuguesa a região da colina às margens do rio Sanhuá, afluente do rio Paraíba, passou por diversas transformações, a primeira foi a fundação da “Cidade Real de Nossa Senhora das Neves” em 5 de Agosto de 1585. No mesmo ano a pedra fundamental da atual matriz de Nossa Senhora da Neves foi fundada em homenagem a padroeira.
Já no ano de 1588, em homenagem ao Rei Filipe que acumulava os tronos da Espanha e de Portugal, a região passou a ser denominada “Filipeia de Nossa Senhora das Neves”.
Outras mudanças estão ligadas a conquista holandesa, a primeira em 1634, em que a região passou a ser chamada de “Frederikstad” e a segunda em 1654, quando, a partir do declínio da Nova Holanda e com a saída dos neerlandeses, a denominação passou a ser “Cidade da Parahyba”.
Uma nova mudança só aconteceria em 1930. A cidade passaria a se chamar desde então “João Pessoa”, em homenagem ao presidente do estado, cargo ocupado na época pelo político João Pessoa assassinado por João Duarte Dantes no ano de 1930 na cidade do Recife. Tal fato marcou profundamente os rumos políticos e comoveu a população, chegando a ser identificado como possível estopim para a Revolução de 30.
Os trinta anos seguintes à década de 30 marcaram o desenvolvimento e a expansão urbana da cidade de João Pessoa que teve sua origem nas margens do rio Sanhauá. A partir da década de 1960 a economia da área do centro teve uma queda devido à ocupação da orla marítima. Porém, os bairros do Centro são a área com maior parte de objetos tombados pelos órgãos de proteção ao patrimônio a exemplo do Centro histórico, Rua das Trincheiras e as proximidades da Rua Odon Bezerra, no bairro de Tambiá.
Entre as suas particularidades, João Pessoa é conhecida como “Porta do Sol”, pois a Ponta do Seixas localizada no município é o ponto mais oriental das Américas, o que leva a considerar a cidade o conhecimento de que é o lugar “onde o sol nasce primeiro nas Américas”.
Este fato é uma das características que atrai a movimentação do Turismo na cidade unido a produção artística dos artesões que expõem seus trabalhos no Mercado de artesanato, localizado ao lado do Hotel Tambaú.
A cidade conta ainda com o título de “segunda capital mais verde do mundo” concedido a capital paraibana na Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente. De acordo com o calculo em que estão relacionados os números de habitantes e áreas verdes, a cidade ficou atrás apenas de Paris, na França.
Porém, em território nacional, João Pessoa é a cidade mais verde, a contribuição do Jardim Botânico Benjamim Maranhão é crucial nesta característica, este é uma área no centro da cidade com 515 hectares de mata atlântica preservada, sendo desta forma a maior floresta semi-equatorial nativa plana cercada por área urbana.
Outro ponto marcante é a capital paraibana estar entre as capitais nordestinas com a melhor qualidade de vida. O dado da organização Internacional Living que considerou a cidade de João Pessoa como uma das melhores cidades no mundo para se desfrutar a aposentadoria. No ranking estatístico, a organização categorizou a cidade de João Pessoa ao lado da capital do Ceará, Fortaleza, estas foram as duas cidades brasileiras contidas na lista. É importante perceber ainda que além das capitais brasileiras apenas outras três cidades completam as cinco cidades da América do Sul foram consideradas nesta pesquisa, são elas: Montevidéu, Colônia do Sacramento e Punta del Leste.
Escute o Samba

Autor(es)
David da Vila, Sérgio Freitas, Helinho e Mascote

Puxador(es)
Gera e Jorge Tropical

O homem no tempo guerreia
Seu rastro semeia ambição
É a chama da conquista acesa no seu coração
"A luz de Roma se apaga"
Daí se propaga a transformação
O clero, a bem da verdade,
Julgava o herege na inquisição

Baila no ar a esperança
O homem avança no velho mar
Um horizonte de riquezas
Fazia a Europa prosperar


Da burguesia surge o renascer
Valorizando ideais
Aniquilando o jeito de ser
Da soberania dos feudais
A sede da cobiça deságua na deriva das águas
A chegada triunfal
Às Índias, ao novo continente
E a este paraíso tropical
Velas ao vento, o rei mando
O navegante outras terras conquistou
Tantos sem terra ficaram
A sabedoria o poder contestou
Raios divinais iluminaram a humanidade
Na França movimentos radicais
Deram ao mundo outra mentalidade

No girar da coroa, a liberdade
Igualdade ecoa no meu cantar
A Vila numa boa, agita o carnaval
É fraternidade universal