CARNAVAL DE MAQUETE


                   

   

Grêmio Recreativo Escola de Samba de Maquete

Acadêmicos do Litoral


DA SECA A FARTURA, ESSE É O NORDESTE QUE A GENTE SE ORGULHA!!!


Carnavalesco : COMISSÃO DE CARNAVAL: VANIA NEVES; KLEBER NEVES; EVELLYN NEVES; JONATHAN NEVES E VAL MAGALHÃES.
Samba utilizado(Escola/Ano) : Unidos de Vila Isabel 2013
Interpréte : Tinga

SINOPSE


Autor(es) : *


Sinopse: ERREDO: DA SECA A FARTURA, ESSE É O NORDESTE QUE A GENTE SE ORGULHA
A Litoral orgulhosamente lhe convida a fazer uma viagem, do sertão a fartura da colheita. Vamos conhecer uma agricultura pouco conhecida do Nordeste. 
Nossa viagem começa com a fé do sertanejo em São Jose.
Há décadas e décadas uma forte crença em relação ao dia 19 de março, Dia de São José, para os católicos. Diz a crença que se chover no dia de São José, então o restante do “inverno”, como é chamado o período mais chuvoso do ano no Nordeste, será com chuva farta. E aí, as lavoura, sustentação básica das famílias nordestinas, estará assegurada.
A crença é tamanha, a devoção nesse foco é tanta, que em muitos municípios do Nordeste, até mesmo em cidades grandes como Fortaleza, a Capital do Ceará, o dia de hoje é feriado. E os cearenses, cujo Estado é um dos símbolos mais marcantes das secas, das longas estiagens que fazem a água sumir para o consumo animal e humano, sabem muito bem o porquê dessa crença em São José.
Mas a fé é tanta que em romaria pede-se chuva e a benção vem junto com a esperança e o início do plantio. 
Hoje com ajuda da tecnologia, o nordeste vêm se destacando nas safras de grãos e frutas.
SOJA
Produto mais exportado da BA, soja tem 2ª maior safra da história colhida por produtores da região oeste.
Os produtores de soja do oeste da Bahia estão em festa por conta dos números alcançados na safra 2018/2019. Com uma média de 56 sacas por hectare, foi registrada uma produção total de 5,3 milhões de toneladas do grão, que é, atualmente, o maior produto de exportação do estado.
A produtividade, embora menor do que a do ciclo anterior, foi a segunda melhor da história, desde que a sojicultura foi implantada na região.
Os resultados da safra foram divulgados pela associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba).
Com uma área superior a 1,5 milhão de hectares plantados, a soja é o carro-chefe da produção agrícola do oeste baiano, ocupando mais de 65% da área total cultivada na região. De lá, saem cerca de 5% da produção nacional e a 58% da produção do Nordeste.
A maior safra de soja da história da região foi a de 2017/2018, quando foram colhidas 6 milhões de toneladas de grãos.
Nove municípios se destacam na produção de soja na região. São eles: Barreiras, Luís Eduardo Magalhães, São Desiderio, Formosa do Rio Preto, Riachão das Neves, Correntina, Jaborandi, Cocos e Baianópolis.
OBS: Fonte G1. 


ALGODÃO
Segundo maior produtor de algodão, a Bahia está na reta final para a colheita de algodão na safra 2019/2020 prevista para ser iniciada a partir de junho. A perspectiva dos produtores baianos é de manter em alta a sua produção na atual safra agrícola 2019/2020, que deve se manter em torno dos 1,5 milhão de toneladas (caroço e fibra), número alcançado, de forma histórica, na safra passada pelos produtores baianos.

Com o plantio iniciado em dezembro passado, a safra ocupa uma área total de 313.566 mil hectares, e a perspectiva é de atingir a produtividade média de 300 arrobas por hectare. Os dados são da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa), que completa 20 anos de atuação em prol do desenvolvimento da cotonicultura no estado.
OBS: Fonte Noticias agrícolas 
MILHO
Um levantamento do Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste (Etene), área de pesquisas do Banco do Nordeste, que analisa dados do IBGE, destacou Sergipe como principal crescimento na produção de grãos do Nordeste. O Estado registrou o maior incremento entre todas as safras de grãos da região na produção de milho, com o aumento de 462,9%. A alta em Sergipe superou o Ceará (225,5%), o Piauí (139,6%) e o Maranhão (139%).
“Sergipe volta a ocupar posição de destaque, pois o estado sempre foi um grande produtor de milho, e agora a nossa produção, em termos proporcionais foi muito maior que os demais estados da Região. Isso nos deixa numa posição privilegiada no Nordeste e no Brasil. É bom chamar atenção que essa produtividade, se comparada com outros estados do país, Sergipe está bem à frente”, salienta o secretário de Estado da Agricultura, Desenvolvimento Agrário e da Pesca, Esmeraldo Leal.
OBS: Fonte G1/ TV Sergipe
FEIJÃO
 No Nordeste, a previsão da produção do feijão para 2017/2018 é de 694,5 mil toneladas, 2,3% maior em relação à colheita obtida em 2016/2017 (679,1 mil toneladas). Vale salientar que Bahia, Ceará, Pernambuco e Piauí detêm 79% de participação da produção de feijão da Região. O oeste baiano, juntamente com partes dos estados do Maranhão, Tocantins e Piauí, começou a formar nova fronteira agrícola no país, que ganhou força a partir dos anos 2000: o Matopiba, que é a junção das siglas desses estados.
Segundo a Embrapa, são cerca de 73 milhões de hectares distribuídos em 31 microrregiões e 337 municípios.
OBS: Fontes G1 / DEE – DIARIO ECONOMICO ETENE




TRIGO
Cultivo de trigo cresce no Nordeste com produtividades maiores do que a média nacional
Embrapa Cerrados destaca que a autossuficiência do Brasil no trigo passa pelo cultivo no cerrado. Cultura já é recorrente no oeste da Bahia, tem expandido para Alagoas e Ceará e deve chegar ao Maranhão na próxima safra.
O este da Bahia cultiva atualmente 3 mil hectares com trigo, uma cultura que vem ganhando importância e espaço no Nordeste brasileiro. A Embrapa desenvolve estudos na região há vários anos testando cultivares e desenvolvendo o cultivo em outras localidades como Alagoas e Ceará.
Segundo o pesquisador da Embrapa Cerrado, Júlio Cesar Albrecht, o trigo se adaptou muito bem ao clima da região e hoje obtém produtividades médias superiores à média nacional. A Bahia, por exemplo, colheu na última safra 5,66 toneladas por hectare enquanto o Brasil ficou em 2,9 toneladas.
OBS: Fonte Notícias agrícolas
CANA DE AÇUCAR
No Nordeste, a terceira região do País com a maior produção de cana-de-açúcar, a estimativa para a safra de 2018 é de 45,7 milhões de toneladas, representando 6,8% da produção nacional. Espera-se redução de 3,7% na área plantada, passando para 868 mil hectares em 2018, ante 901,3 mil hectares na safra anterior. A estimativa é que o Nordeste colha, em média, 52.657 kg/hectares em 2018, em contraste com 53.660 kg/hectares em 2017. Dentre os estados do Nordeste, a estimativa é de crescimento da safra em 2018 em cinco Unidades Federativas: Bahia (+44,8%), com o maior crescimento. Tem-se a seguir, com expressiva diferença, Paraíba (+5,2%), Rio Grande do Norte (+3,5%), Maranhão (+2,0%), Alagoas (+1,6%) e Piauí (+1,3%). Na mesma base de análise, três Estados deverão apresentar redução em suas colheitas: Pernambuco (-31,0%) com expressiva queda, vindo a seguir Sergipe (-6,1%) e Ceará (-2,0%).
OBS: Fonte ETENE

GIRASSOL
O girassol é uma cultura anual que, do ponto de vista econômico, apresenta viabilidade no Nordeste. A adaptabilidade, o aproveitamento de suas sementes e de sua massa seca, o teor de óleo em torno de 40%, aliado com a sua crescente valorização no mercado, são o cenário ideal para a geração de retornos financeiros.
OBS: Fonte ETENE

COCO
 Os produtores de coco do Vale do São Francisco estão animados com as vendas já que durante o verão o consumo do fruto aumenta. Com isso, os produtores conseguem faturar bem mais, já que os preços também sobem.
O cultivo de coco na região do Vale do São Francisco é feito em larga escala. Em Petrolina, No Sertão de Pernambuco, a área plantada com coco é de 2 mil 262 hectares, com uma produção de 6 milhões 135 mil e 300 unidades do fruto por mês.
OBS: G1 / TV GRANDE RIO
BANANA
A Região Nordeste é a maior produtora brasileira de bananas. Estimativas feitas para 2011 apontam para uma área colhida de aproximadamente 219 mil ha e uma produção de 2,92 milhões de toneladas. Na Região, destacam-se os Estados da Bahia, Ceará, Pernambuco e Rio Grande do Norte. Nestes Estados, a produção de banana acontece principalmente nos polos de fruticultura irrigada.
OBS: Fonte ETENE


MANGA
 Brasil, o Nordeste se destaca pela produção de manga praticamente o ano todo — a região responde por 76,3% da produção nacional, de acordo com dados de 2018 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A Bahia tem a liderança em área colhida (24.200 hectares, o que representa 36,9% da área colhida de manga em todo o País). Mas estado fica em segundo lugar, atrás de Pernambuco, em quantidade produzida. Pernambuco produziu 496.937 toneladas e a Bahia 378.362 toneladas.
A produtividade média dos dois estados foi de 15,6 t/há, para a Bahia e 41,3 t/há, para Pernambuco. Essa diferença se explica pelo fato de Pernambuco utilizar um espaçamento mais adensado e abarcar grandes produtores tecnificados, além de variedades mais produtivas visando à exportação, enquanto na Bahia a produção de manga envolve pequenos agricultores familiares e responde por, aproximadamente, 29% da produção nacional.
 
OBS: Fonte Nordeste Rural
 
ABACAXI
A Paraíba é o segundo maior produtor de abacaxi do Brasil, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A fruta é cultivada em uma área de 10.912 hectares, em municípios do Litoral, Zona da Mata e Agreste do Estado.
Entre os municípios paraibanos que lideram a produção de abacaxi estão Itapororoca, Araçagi, Santa Rita, Pedras de Fogo, Lagoa de Dentro e Curral de Cima. Ainda de acordo com o IBGE, a abacaxicultura garante um faturamento médio de mais de R$ 345.276.000,00 ao ano, com base em uma produtividade de 30.689 frutos por hectare.
OBS: Fonte G1 TV Cabo Branco / TV Paraíba
 
 
UVA
 O Vale do São Francisco, em especial a região de Petrolina (PE), no interior pernambucano, tem se destacado na produção de uvas de qualidade. Com o implemento de novas tecnologias, como a suplementação e nutrição foliar, os produtores do semiárido nordestino conseguem a cada safra melhorar a qualidade das frutas, aumentar a produtividade e reduzir custos.
Além de ser importante para a comunidade local, a viticultura tem papel de destaque na economia nacional. Segundo projeções do Ministério da Agricultura, o Valor Bruto de Produção (VBP) da uva pode crescer 18% no Estado este ano, passando de R$ 1,3 bilhão para R$ 1,8 bilhão.
“A cada ano tem crescido a demanda pelas nossas uvas devido à abertura de novos mercados principalmente na Ásia, com forte demanda da China que tende a crescer ainda mais”, diz Cleber Uzumaki, engenheiro agrônomo e RTV da Ubyfol, multinacional brasileira que desenvolve fertilizantes especiais.
Estima-se que 95% das uvas classificadas como de mesa, que são consumidas in natura no Brasil, são produzidas no Vale do São Francisco, que além de Petrolina (PE), contempla os Estados Nordestinos, Bahia, Sergipe e Alagoas.

OBS: Fonte Portal Attalea


MORANGO


A Serra da Ibiapaba está sendo destaque nacional na produção de morango. A ideia agora é expandir para fora

São Benedito. Setenta mil pés de morango produzindo o ano inteiro. É com este número que o morango do Ceará, cultivado em São Benedito, na Serra da Ibiapaba, ganha o Brasil e vai para o Mundo. Há dois anos começou a produção, que agora começa a ser comercializa para mais Estados brasileiros e chegará, até 2014, ao exterior. O morango cearense, até então apreciado somente no Estado e no Piauí, ganha o Brasil indo para Pernambuco, Maranhão, Rio Grande do Norte e Paraíba. A ideia é que chegue aos Estados Unidos e Europa.

OBS: Fonte Diário do Nordeste

Depois das grandes colheitas, é hora de comemorar!!! Com o trio do forro trazendo alegria, por que quando junho chega no sertão; a fogueira esquenta o coração; que emoção ver o povo tão feliz; o Nordeste vira um país; um país do são João; dos festejos juninos, cheios de muita fé tradiçãoooo!!!

                                                              Viva o são João do Nordeste

OBS: Fonte da vinheta rede Globo Nordeste.

Senhores jurados, nossa sinopse foi montada de forma informativa, com fontes de sites especializados no agro nordeste. 




Escute o Samba


Samba-Enredo 2013 - A Vila Canta o Brasil, Celeiro do Mundo


G.R.E.S Unidos de Vila Isabel (RJ)

Festa no arraiá
É pra lá de bom
Ao som do fole, eu e você
A vila vem plantar
Felicidade no amanhecer

Festa no arraiá
É pra lá de bom
Ao som do fole, eu e você
A vila vem colher
Felicidade no amanhecer

O galo cantou
Com os passarinhos no esplendor da manhã
Agradeço a Deus por ver o dia raiar
O sino da igrejinha vem anunciar
Preparo o café, pego a viola, parceira de fé
Caminho da roça, e semear o grão
Saciar a fome com a plantação
É a lida
Arar e cultivar o solo
Ver brotar o velho sonho
Alimentar o mundo, bem viver
A emoção vai florescer

Ô muié, o cumpadi chegou
Puxa o banco, vem prosear
Bota água no feijão já tem lenha no fogão
Faz um bolo de fubá

Pinga o suor na enxada
A terra é abençoada
Preciso investir, conhecer
Progredir, partilhar, proteger
Cai a tarde, acendo a luz do lampião
A lua se ajeita, enfeita a procissão
De noite, vai ter cantoria
E está chegando o povo do samba
É a vila, chão da poesia, celeiro de bamba
Vila, chão da poesia, celeiro de bamba
Adicionar à playlistTamanhoAACifraImprimirCorrigir Composição: André Diniz / Arlindo Cruz / Leonel / Martinho da Vila / Tonico Da Vila.