Acadêmicos da Folia 2019

SINOPSE
“RESPEITÁVEL PÚBLICO: A MAGIA NUM CÉU DE LONA”
Autor: Daniel Rossi

Uma trupe de palhaços, várias piruetas e um alto-falante, num caminhão, anunciam:
-Hoje tem espetáculo! O grande circo chegou.
Corre a criançada para avisar que a cidade está em festa.

O céu se transforma em lona, a magia vai começar. Feras enjauladas, os artistas da noite se preparando e arquibancadas lotadas.
-Senhoras e senhores, moças e moços, meninas e meninos.
Pipoca na mão e luzes apontadas para o picadeiro. Rufem os tambores. Suspense.

Abre-se as cortinas.
-Respeitável público!

O show começou. Em meio a tantas palmas o suspense pairava no ar. O ilusionista abre a noite prendendo a atenção de todos. “O verde virou vermelho”, a ilusão sem explicação some no ar como as chamas, ateadas pelo engolidor de fogo.

Agora, os malabaristas, mais palmas na plateia e concentração no picadeiro. Embaralham as vistas, voam bolas e bastões. Girando pratos, sem deixa-los cair, se despedem abrindo espaço para o próximo show.

Atrapalhados, engraçados e tropeçantes, surgem os palhaços. Não poderiam faltar.
-Hoje tem alegria?
-Tem sim senhor.
Com a cara pintada, contam piadas, caem no chão e fazem palhaçadas. Na arquibancada são tantas gargalhadas que, até o Pierrot que vive chorando, caiu na risada.

Os gigantes de pernas de pau, invadem o palco. O artista, com a maior destreza do circo, dança com sua altura elevada causando uma mistura de espanto e admiração. Seria um truque de mágica?

Uma jaula em formato de esfera, iluminada, surge no picadeiro.
-Ohhh… -Espanta a arquibancada.
Invadem os vários motoqueiros, destemidos, desafiando a morte andando com suas motocicletas. Num instante, com muita adrenalina, o céu de lona enche-se de emoção.

-Impressionante. -Grita uma moça na plateia.
A cada “abracadabra” uma flor e, a cada “sim salabim” um coelho. São tantas surpresas saindo da cartola que, impressiona, confunde e maravilha nossos olhos desafiando nossa imaginação.

Das jaulas para o picadeiro, as feras e o domador, fascinam o público de qualquer idade. Levantando e abaixando, tigres e leões, cumprimentam a plateia. No trapézio, o elefante dá um show, dançando e girando como uma bailarina na ponta dos pés.

Bailando no ar, surgem os trapezistas, artistas corajosos. Cheios de agilidade, bailam no ar, realizando lindas performances, soltando e capturando as barras. Na corda bamba, os equilibristas, com o monociclo se exibem para a plateia.

Em meio há tantas palmas é hora de dizer adeus. As arquibancadas que foram um mar de gargalhadas ,se transformam em um mar de saudades. A magia num céu de lona, outra cidade, vai encantar, fazer sorrir e sonhar.

“No meio da madrugada
O circo partiu em segredo.
Não convém fazer barulho
Quando um sonho se acaba.
Virou saudade, virou lembrança,
Virou poeira no pensamento.”
(Roseana Murray)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *