CARNAVAL DE MAQUETE
U E S M

G.R.E.S.M.

Império de Itaquera


AMAZONAS TU ÉS A MAIS BELA DAS MATAS


Carnavalesco : Gabriel de Castro Almeida
Samba utilizado(Escola/Ano) : Escola/ Ano: X9 Paulistana - 1997
Interpréte : Royce do Cavaco.

SINOPSE


Autor(es) : Gabriel de Castro Almeida

logo-itaquera


O Amazonas foi descoberto há muitos anos atrás pelos indígenas os primeiros habitantes e contribuintes para as terras no Amazonas.
Com o decorrer do tempo os primeiros portugueses foram chegando, e começaram a explorar as terras amazonenses e também os indígenas como seus trabalhadores.
Passando muito tempo da exploração a floresta amazônica ainda possuía muitos bens naturais como guaraná o açaí, tambaqui, mandioca e variedades de peixes e o gigante Rio Amazonas.
Mas vale lembrar que antes de tudo isso a maior lenda dizia que o sol e a lua apaixonados se encontravam todos os dias, tipa então decidiu separar o sol da lua estabelecendo horário de cada um, o sol fica o dia e sai ao final da tarde.
Já a lua é dona da noite toda.
Muito triste com a separação a lua começa a chorar então, então com as lágrimas da lua se faz um enorme Rio, batizado nato de Rio Amazonas.
Sobre a cultura amazonense o que mais nos marca são as festividades envolvendo o boi bumba e seus artesanatos que são feitos através da palha e depois trançados.
O festival de Parintins ocorre com a disputa de dois bois o caprichoso é garantido (vermelho e azul).
Os artesanatos amazonenses na maioria das vezes são feitos de palha ou madeira, são feitos vasos, bandejas todos confeccionados em palha ou Madeira.
No Amazonas também é muito comum às festividades folclóricas sobre saci, Iara, e boi bumbá.
Escute o Samba


Enredo: Amazônia, a Dama do Universo
Compositores: Jambinho, Marcelo Casa Nossa e Royce do Cavaco

Sacode, sacode, vai minha bateria
Alegria do povão
Balança, balança X-9
Explode o meu coração
Amazônia, mãe (e ô)
A dama do universo
Seus mistérios e magias
Das guerreiras indias a lutar
O luxo e o requinte da europa
Na seringueira a mão do colonizador
O teatro amazonas e a borracha
Um misto de aventura e dor

Mãe d'agua ê
Mãe d'agua
Mostra o caminho do meu navegar
Foi curumim quem me contou
O segredo desse guaraná
É boi bumba (olha o boi, olha o boi)
Esse boi é garantido e caprichoso
Descendo o rio de manaus a parintins
Tudo isso é maravilhoso
Temos que usar a consciência
E despertar para um futuro promissor
Preservando a natureza
Pra nossa vida ter valor