CARNAVAL DE MAQUETE
U E S M

G.R.E.S.A

Falcão Imperial


OS SETE PECADOS CAPITAIS


Carnavalesco : JOSÉ DOMINGOS DUARTE
Samba utilizado(Escola/Ano) : Inédito
Interpréte : *

SINOPSE


Autor(es) : JOSÉ DOMINGOS DUARTE


Todos nós temos o bem e o mal lutando dentro de nosso ser. O lado que mais alimentamos através de pensamentos e atitudes é o que vencerá esta guerra, tão antiga quanto a humanidade. Somos Anjos-Demônios. A cada ser Deus, deu o Livre-Arbítrio, sendo assim, cabe a nós decidir o que desejamos, o inferno ou o paraíso.
No princípio, Deus criou o homem puro e simples, sem maldades e sem bondades. Apenas era. Influenciado pelo meio e entidades que lutam para recrutar armas para seu Reino, caminhamos e evoluímos, intelectualmente muito, moralmente pouco.
Naturalmente, o homem, buscava a perfeição e nesta busca ele se perdeu. Ao se sentir um ser pensante, observou que era belo, mas poderia ficar mais. Descobriu que o mundo dava valor a estereótipos, renegando o que trazia dentro de sua alma. E assim comete o seu primeiro pecado: A Vaidade. Assim nasce Narciso, filho de Afrodite, que também era vaidosa, já que ambos eram os seres mais belos de toda a terra. Assim, Narcisos e Afrodites se multiplicaram e o culto ao corpo deturpou a verdadeira beleza humana.
Eu também sou vaidosa. Sei que cometo este pecado. Mas sou a Majestade do Samba no FESTIVAL da GRESA. E como a Madrasta da Branca de Neve, pergunto também a meu espelho, qual de todas nós é a mais bela. E ele sempre responde que melhor do que eu, somente eu. O que posso fazer?
Do outro lado desse espelho está a Inveja. Aqueles que não são o que gostariam de ser e invejam o que possuímos ou somos. Mas se a própria sociedade dita as regras do “bem estar social”, como tentar olhar para si mesmo e ver o valor que cada um possui? Dizem que o poder da inveja é tanto que pode até matar.
Deste pecado eu não sofro. É só observar o orgulho de meu folião a desfilar. Sei que morre de inveja aquele que não torce para mim. Contra estes vou vestida de olho grego, usando trevo de quatro folhas e com muita pimenta. Faço figa que nenhum olho gordo atrapalhe o espetáculo que toda vez provoco ao desfilar. Tenho certeza que aquele que não torce para mim, vai descobrir que também é Falcão, só não sabia!
Luxúria! O Pecado mais gostoso de se cometer. Que o diga Júlio César e Otaviano. Poderosos imperadores romanos, temidos e idolatrados. Regentes de um dos maiores impérios que a humanidade já viu. No caminho deles Cleópatra, Rainha do Egito. Ambos caíram na rede dela. Que segredos ela escondia? Seria o Tantrismo? Seria o Kama sutra? Infelizmente esta página a história perdeu. A luxúria domina o ser humano de tal forma, como droga, que perdido em um mundo particular ele vive. Não adiantam conselhos, nem proibições. Atos libidinosos são cometidos e muitos deles maculam pessoas. Atos covardes e crimes.
Mas eu também amo a Luxúria. Meu êxtase, meu orgasmo é me perder em sua boca! Ouvir você cantando. Meu sonho mais erótico é a arquibancada aplaudindo de pé e o mundo inteiro numa só voz, numa só melodia, cantando meu samba e chorando de emoção ao me ver passar. Com que roupa eu gostaria de te ver sambar? Assim como no sexo isso é o que menos importa. Insana e louca é assim que quero te ver. Sonho em ter mais de uma noite com você!
Sonhos né? O que se precisa pra realizar um sonho?
Muitos acham que o dinheiro é a resposta para todos os problemas. A solução miraculosa que transforma tudo em Ouro. E quem não gostaria de ter o toque de Midas? Quem não gostaria de não se preocupar com o dia de amanhã, vivendo e comendo do bom e do melhor? Porém será que ele traz a verdadeira felicidade ou só uma falsa ilusão? O que se vê são pessoas em corrupção, roubando, ludibriando em busca de enriquecer cada vez mais e mais. Para que? Diógenes é que deixa o exemplo para todos nós , um barril era sua casa. Será que conseguiríamos ser como ele? Será que o Brasil ainda ganha da corrupção?
Sei que também tenho este toque de Midas. Mas a cobiça que possuo é de felicidade. A minha pedra filosofal transforma tudo que é ruim em alegria. A solidão em Carnaval. Mas são meus foliões que fazem esta transformação e deixam os contrários com raiva.
Raiva! Ela mata! Iago por inveja queria tomar o Reino Mouro para si. Conhecendo o temperamento de Otelo, provoca o ciúme deste por Desdemona de tal forma que cego de raiva, com um punhal de Prata a mata, sem tempo de ver que era tudo uma farsa. O mundo hoje cultiva o ódio, a raiva cega. Ideias e visões preconcebidas são tidas como certas e axiomas sem pensar, refletir. Tal qual no holocausto, o ódio voltou a ser gratuito. Tiros e homens bomba, disparados por Cólera.
Minha ira é contra a ideia preconcebida de se julgar. Julgar errado. Contra a manipulação de resultados. Afinal, minha comunidade se esforça muito para tentar ganhar o carnaval. Na Mooca a preguiça não existe!
Deste mal eu não sofro. Mas a maioria do mundo sofre. A preguiça é a maior aniquiladora de sonhos. Quantas pessoas deixam de lutar por seus sonhos porque tem preguiça de remar contra a maré. Nada é fácil. Nada cai do céu. Contemplar estrelas em uma rede, sonhando não te levará até elas. Eu já as alcancei. Não foi fácil. Minhas treze estrelas!
Fome e Gula. Não só de comida. Mas de poder, de luxúria. Tudo que é muito faz mal. As vezes a saciedade se dá na arte de se doar. Mas hoje a fome de ambição que permeia o mundo faz o sistema engolir o próprio sistema.
Eu também sou gulosa. Minha fome é de vencer. Sei que possuo treze estrelas em minha bandeira. Sei que tenho treze títulos no FESTIVAL da GRESA. Mas a Vitória tem sabor de mel. Quatorze é um número maravilhoso. Já neste Carnaval da UESM, o primeiro título é bem vindo. Afinal a Vitória em demasia não faz mal.
Não dá pra esconder que muitos desses pecados são deliciosos de ser cometidos. Não dá pra não dizer que não queremos ter tentação em nosso caminho. Mas eu sou pecador. Quem não é que atire a primeira pedra. Mas sei que apesar de falhos e mesquinhos , Deus nos ama e com certeza a redenção sempre vem no final.
No mundo do Carnaval também é assim. Sei que não sou perfeita. Mas quem não erra? Então ao me julgar, sinta minha essência e deixe meu ritmo te levar. Quem sabe você perdoa todos os meus erros e me deixa entrar no Paraíso do Samba e provar este mel que tanto amo? Quem sabe bordar uma nova estrela no meu pavilhão.
Depende de mim. Depende de você. Seja onde for a mudança depende de nós.
Escute o Samba